Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I.P.
27
Lista de Variedades Recomendadas
Enquadramento

A recomendação de variedades baseada em informação independente, surgiu da necessidade de valorizar a produção de trigo e cevada em Portugal. Esta recomendação é feita através de Listas de Variedades Recomendadas – LVR - para trigos e cevadas de qualidade.
Trata-se de uma iniciativa de fileira (produção, investigação e indústria) na identificação das variedades melhor adaptadas às principais zonas produtoras de cereais em Portugal e que melhor servem os interesses de todos os intervenientes da fileira.
Esta identificação permite reduzir a grande dispersão de variedades utilizadas pelos produtores, originando lotes mais homogéneos e de maior dimensão, contribuindo desta forma para atingir um equilíbrio que permite aos produtores nacionais obterem produtos de qualidade, com interesse para a indústria.

A utilização industrial, do cereal produzido em Portugal, torna-se mais eficaz, diferenciada e valorizada.
A produção nacional torna-se mais competitiva face às diversas origens de cereal importado.
Sendo a variedade, com o potencial genético que a caracteriza, um fator determinante na melhoria do processo produtivo, a elaboração das LVR tem como suporte informação independente, estritamente de caráter técnico-científico obtida em ensaios de campo realizados anualmente de forma credível e imparcial. Nestes ensaios analisam-se diversos parâmetros agronómicos e de qualidade tecnológica. Esta análise, feita pela Investigação e validada pela Produção e pela Indústria permite recomendar variedades e práticas culturais adequadas.

Como se processa a elaboração das LVRs
Trigos de qualidade

No processo da elaboração da LVR dos trigos de qualidade intervêm por parte da Investigação o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária– (Estação Nacional de Melhoramento de Plantas) e o Instituto Politécnico de Beja-ESA; por parte da Produção, a Associação Nacional de Produtores de Cereais, Oleaginosas e Proteaginosas (ANPOC) e suas associadas e por parte da Indústria, as transformadoras de trigo, Ceres, Germen e Cerealis.
O processo passa pela candidatura de variedades por parte das empresas de sementes, as quais são avaliadas, do ponto de vista agronómico e tecnológico, em ensaios com pequenas parcelas, no Alto e Baixo Alentejo. Os resultados agronómicos obtidos são analisados pela Investigação. Após a colheita são enviadas amostras para os laboratórios das indústrias para a realização das análises tecnológicas. Estas análises são também realizadas pela Investigação.
Com base na análise conjunta de todos os parâmetros é elaborado um ranking das variedades que mais se adequam à indústria e ao agricultor.


Cevadas dísticas para malte

A LVR das cevadas dísticas é uma iniciativa do Comité permanente da cevada e malte dos Cervejeiros de Portugal (APCV), o qual tem por missão a promoção da fileira da cevada dística nacional de modo a autossustentar o fornecimento de matéria prima para a Indústria Cervejeira Portuguesa.
Adicionalmente à APCV, os promotores envolvidos no processo que leva à elaboração da LVR das cevadas são o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária– (Estação Nacional de Melhoramento de Plantas) e as indústrias Maltibérica, SA/Super Bock Group e a Sociedade Central de Cervejas e Bebidas, SA entidades que integram o Comité da cevada e malte.O processo passa por uma rede de avaliação de novas variedades em ensaios de pequenas parcelas.
Esta avaliação, que inclui parâmetros agronómicos e tecnológicos, serve de suporte à posterior seleção feita pelo Comité da APCV das 3 a 4 variedades que irão ser testadas em parcelas de grandes dimensões, a uma escala piloto.
Os obtentores de sementes fornecem a semente necessária para a realização destes ensaios, os quais são realizados em cenário real, em parcelas de agricultores com o itinerário técnico adequado.Os parâmetros agronómicos e de qualidade destes ensaios à escala piloto são avaliados pela investigação.
Após a colheita são enviadas amostras para os laboratórios das indústrias cervejeiras para a realização de análises tecnológicas relacionadas com a qualidade do malte produzido.
Com base na análise conjunta de todos os parâmetros é elaborado um ranking das variedades que mais se adequam à indústria cervejeira e ao agricultor.A recomendação de variedades de cevada dística é divulgada anualmente pela APCV, atempadamente às sementeiras, através da publicação de um Boletim.

Listas de Variedades Recomendadas de Trigo Mole, Trigo Duro e Cevada Dística




Governo de Portugal
w3c
acessibilidade
seara.com