Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I.P.
Facebook
13
Portal Agro Tech




Designação do projeto | Portal Agro Tech
Código do projeto|POCI-02-0550-FEDER-035472
Objetivo principal | A operação será feita no âmbito do AGRO-TECH Campus de Oeiras e contribui para a melhoria do acesso às Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) e a sua utilização e qualidade, através do reforço das aplicações TIC na Administração Pública em linha, concorrendo para a redução dos custos de contexto através do reforço da disponibilidade e fomento da utilização de serviços em rede da Administração Pública, melhorando a eficiência dos serviços prestados.
Região de intervenção | Oeiras e restante território nacional
Entidade beneficiária | Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I.P. (INIAV, I.P.); Universidade Nova de Lisboa; Instituto de Biologia Experimental e Tecnológica (iBET)
Data da aprovação | 2018-02-06
Data de início | 2018-03-05
Data de conclusão | 2020-03-03
Custo total elegível | 923.167,50€;
Apoio financeiro da União Europeia | 525.743,89€


Objetivos, atividades e resultados esperados

O Portal AGRO-TECH permitirá:

    • A melhoria do acesso e do contacto das empresas, entidades públicas e público em geral aos serviços prestados pelas entidades participantes no Consórcio. Como exemplo, veja-se os veterinários, que poderão ter o acesso facilitado ao pedido de análises laboratoriais;
    • A utilização de um balcão centralizado para as interações com os 3 parceiros, beneficiando ainda da integração a outros serviços partilhados na restante Administração Pública, através, de por exemplo, autenticação pelo Portal do Cidadão, da gateway de SMS e da Plataforma de Pagamentos;
    • O fomento da colaboração entre diferentes ministérios e com os diferentes níveis da administração e partilha de informação entre entidades públicas, dada a própria natureza diversa dos parceiros;
    • A reutilização de informação ou dados de natureza pública, permitindo a racionalização de recursos, reduzindo duplicação de gastos;
    • A interoperabilidade e aproveitamento de sistemas de informação existentes ao utilizar hardware e software de apenas um dos intervenientes em prol de todo o consórcio, apesar de terem naturezas estatutárias distintas bem como tutelas.


A operação conjunta implica a criação de uma rede de informação partilhada entre os 3 parceiros materializada através de um Portal do Investigador no qual os técnicos dos vários institutos poderão colocar resultados da sua investigação, ficando a mesma disponível de forma segura para outros utilizadores do portal, podendo o investigador escolher qual o nível de acesso aos seus documentos. Desta forma fomenta-se a colaboração na investigação e limita-se a duplicação de esforços em áreas comuns.

Esta área de informação partilhada funcionará também de repositório de informação a partilhar com o público em geral, ficando os estudos de investigação, na sua componente pública e não confidencial, disponíveis para pesquisa e consulta, diminuindo assim a necessidade de deslocação aos locais de investigação ou às suas bibliotecas para acesso aos documentos.

Esta operação permite também aumentar a transparência da utilização dos fundos públicos, dado que muita da investigação terá sido produzida com recursos a financiamento público. Esta é uma alteração profunda na interação com o público, que até agora ou desconhece ou tem extrema dificuldade no acesso aos resultados da investigação produzidos. Adicionalmente, esta disponibilização online da produção científica no âmbito da agricultura e floresta, saúde animal e sanidade vegetal e tecnologia e inovação para a bioeconomia funcionará de ponto focal para futuros projetos de investigação e atestará a qualidade da investigação produzida em Portugal, esperando-se que atraia pedidos de investigação aplicada e respetivo investimento.

Contribuirá também para uma melhor implementação das normas determinadas pela Política de Acesso Aberto defendida pela Fundação para a Ciência e a tecnologia (FCT). A FCT defende a disponibilização dos resultados da investigação científica através da internet, de forma aberta, livre e sem custos para o utilizador. As vantagens da disponibilização de publicações em Acesso Aberto são amplamente reconhecidas, incidindo sobre a investigação de forma direta, facilitando a interdisciplinaridade e aumentando a sua visibilidade, mas também causam impacto a nível social e económico, levando a investigação a profissionais de outras áreas, a empresas e a públicos interessados.

Neste âmbito, realça-se o alinhamento com a medida 118 do Simplex+, dado que:

- A criação de um repositório de informação científica das áreas de atuação dos parceiros do consórcio facilitará a ligação ao Portal Único da FCT a estabelecer como fonte de informação primordial das várias áreas científicas. Por outro lado, os parceiros no consórcio disponibilizam produtos e serviços ao público que até então se efetuavam com base em processos poucos desmaterializados. A utilização da plataforma iAP (plataforma de Interoperabilidade na Administração Pública), enquanto plataforma de integração transversal à Administração Pública, permitirá uma interação mais rápida ao dispensar, entre outros, o preenchimento de campos já disponíveis em outros agentes da Administração Pública.

A candidatura terá dois objetivos:

    • Promover a partilha de informação científica de uma forma segura (através de mecanismos de continuidade de negócio e de recuperação de desastres (disaster recovery e business continuity) entre as 3 entidades através da conectividade direta, possibilitando desta forma a racionalização e plena exploração dos recursos tecnológicos das instituições, e por conseguinte do consórcio AGRO-TECH Campus de Oeiras, maximizando o potencial de investigação nas áreas AGRO-TECH e potenciando a visibilidade externa da qualidade cientifica nacional;
    • Promover os serviços prestados e os produtos comercializados por estas entidades para a sociedade em geral e para a comunidade científica, aproximando os cidadãos dos serviços da Administração Pública bem como da informação científica produzida.


Para concretizar a operação acima descrita é necessário realizar um conjunto de atividades, implicando a contratação de serviços específicos, equipamentos dedicados e alocação de tempo de pessoal:

Atividade 1 - Organização e preparação da operação
Recolha de informação relevante sobre os processos abrangidos pela operação e planificação detalhada do seu desenvolvimento, designadamente através da consolidação dos objetivos da operação e validação do seu âmbito de atuação. Preparação dos cadernos de encargos e programas de concursos para aquisição de serviços externos, lançamento de concursos públicos e definição dos critérios de avaliação das propostas.
Atividade 2 - Conceção
Realização das tarefas necessárias com vista à obtenção de uma visão, âmbito e aceitação homogénea do projeto perante todos os stakeholders.
Atividade 3 - Elaboração
Definição de uma arquitetura robusta como base para todo o desenho e construção do sistema. A arquitetura evoluirá tendo com base nos requisitos mais significativos do sistema e através da análise dos riscos.
Atividade 4 - Construção
Conclusão de todo o processo de análise, desenho e programação, alicerçado numa forte componente de testes funcionais e não funcionais.
Atividade 5 - Avaliação e Melhoria
Avaliação dos processos considerando as necessidades identificadas e revisão dos processos com implementação de eventuais ajustamentos que permitam uma melhoria, sendo validado o relatório final de execução e os outputs dos processos.





Governo de Portugal
w3c
acessibilidade
seara.com