Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I.P.
07
GO SOLO: Promoção de práticas agrícolas conservadoras do solo através da demonstração, expedita e a baixo custo, do seu impacto na matéria orgânica





Designação do projeto | GO SOLO: Promoção de práticas agrícolas conservadoras do solo através da demonstração, expedita e a baixo custo, do seu impacto na matéria orgânica 

Código do projeto | PDR2020-101-031245
Objetivo principal | Desenvolver e calibrar um método expedito que permita a utilização de deteção remota (imagens de satélite) para a previsão dos teores de matéria orgânica do solo (MOS) em pastages semeadas biodiversas (PSB), utilizando informação espectral (espectroscopia de reflectância no visível e infra-vermelho próximo, VNIR) e a condutividade elétrica aparente do solo como passos intermédios.
Região de intervenção | Alentejoo
Entidade beneficiária | Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I.P. (INIAV)
Data da aprovação | 2017-09-13 
Data de início | 2018-08-01
Data de conclusão | 2021-12-31
Custo total elegível | 28 932,55 €
Apoio financeiro da União Europeia | FEADER (Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural) –
17 359,54 €
Apoio financeiro público nacional/regional | 4 339,88 €

Objetivos, atividades e resultados esperados: 
Este projecto pretende criar uma abordagem metodológica que reduza substancialmente o custo de obtenção de informação sobre teores de MOS e que permita que mais agricultores recorram de forma regular a esta ferramenta de gestão.

Os principais objetivos desta iniciativa são:
  • Desenvolver uma nova metodologia expedita para amostragem e análise da MOS, que se afaste da recolha manual e da análise laboratorial convencional (mas calibrada por esta), usando como nível intermédio a recolha automática de amostras e a deteção por espectroscopia de reflectância no visível e infra-vermelho próximo (VNIR) por forma a calibrar o objetivo final que é a utilização de métodos de deteção remota (imagens de satélite) sem amostragem;
  • Produção de cartografia relativa à variação interanual de MOS em PSB a partir do método inovador e de baixo custo desenvolvido no projeto;
  • Estudar a relação entre as práticas de gestão das PSB de parceiros no GO SOLOS e a MOS;
  • Divulgar o impacto quantificado das práticas sobre a MOS entre a comunidade de agricultores Terraprima e outros e organismos da administração central e regional. 

Os resultados previstos a atingir são:
  • Cartografia referente aos teores de MOS nas áreas de estudo, incluindo também a  densidade aparente do solo, com resolução espacial semelhante às imagens de satélite e capturando a variabilidade espacial na exploração e temporal durante o projeto. Estes resultados serão úteis à totalidade dos agricultores intervenientes.
  • Interpretação da cartografia relativamente ao efeito de diferentes práticas agrícolas na MOS para agricultores parceiros do GO SOLO. Serão beneficiários indiretos os agricultores com PSB (que passam a poder equacionar a MO do solo nas suas decisões de gestão); todos os agentes públicos responsáveis pela definição e/ou acompanhamento da implementação de políticas públicas agrícolas; os agentes públicos e privados interessados na valorização da componente “gases com efeito de estufa” e “pegada de carbono”; os agentes públicos responsáveis pela monitorização dos efeitos das políticas públicas nos domínios da agricultura e do clima (SNIERPA).
  • Cartografia de carácter preditivo resultante da aplicação do método para estimativa de MOS calibrado nas áreas do projecto e aplicado à área de implementação potencial de PSB (Alentejo, Beira Interior e Ribatejo e Oeste). Este resultado será relevante para agricultores que decidam instalar PSB, permitindo a estimativa dos aumentos de MOS e respetivo sequestro de carbono.
  • Protocolos normalizados de utilização dos equipamentos e métodos referidos na medição do teor de MOS. Serão beneficiários deste protocolo todos os utilizadores futuros destas técnicas em Portugal.
  • Produção científica associada às atividades do GO SOLO. Serão beneficiários deste conhecimento a comunidade científica, os decisores políticos e a comunidade técnica interessada. Este passo é essencial para a credibilização das metodologias e para a segurança na sua utilização futura por agricultores e decisores.
  • Produção de materiais de divulgação associados às atividades do GO SOLO, nomeadamente sob a forma de recomendações para o aumento de teor de MOS e da capacidade de sumidouro de carbono. Serão beneficiários deste conhecimento os agricultores e o público em geral.



Governo de Portugal
w3c
acessibilidade
seara.com