Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I.P.
Facebook
18
Banco de Sementes do Solo

 

A equipa do Banco de Sementes do Solo (BSS) dedica-se ao estudo da composição do reservatório de sementes do solo para o delineamento de estratégias de gestão dos ecossistemas agrícolas, florestais e agro-florestais.


  • O Banco de Sementes do Solo (BSS) é o reservatório de sementes viáveis e não germinadas existentes nas primeiras camadas do solo, constituído por sementes transitórias e persistentes.

    O conhecimento da sua diversidade e dinâmica é importante para a conservação, restauro e gestão dos habitats que constituem o mosaico dos ecossistemas agrícolas, florestais e agro-florestais.

    A composição do BSS assume grande relevância no delineamento de estratégias de gestão da vegetação - com destaque para as áreas protegidas, zonas de protecção e espécies RELAPE - sendo simultaneamente uma fonte de informação do seu historial e um meio para prever a evolução/alteração da ocupação e uso do solo.

    A identificação, quantificação e distribuição espacial das comunidades de sementes do BSS também tem aplicação prática no controlo de espécies invasoras e infestantes e na recuperação de habitats perturbados pelo fogo, pelas técnicas culturais, pela gestão do coberto, e ainda pelas alterações climáticas.


    • O Laboratório de Sementes é um laboratório de referência no apoio à certificação de sementes florestais, efectuando análises laboratoriais que possibilitam a sua certificação (Decreto-Lei nº 205/2003):

      - Desenvolve actividades na pesquisa de novas metodologias de certificação de sementes, baseadas em técnicas moleculares e fisiológicas;

      - Desenvolve actividades na pesquisa e aplicação de novas metodologias de conservação, essencialmente de sementes recalcitrantes;

      - Desenvolve actividades na pesquisa da influência de reguladores de crescimento na quebra da dormência das sementes;

      - Participa e apoia Projectos de Investigação e Protocolos do INIAV, IP e de outras instituições nacionais e internacionais;

      - Desenvolve actividades de investigação no âmbito do Banco de Sementes do Solo, em colaboração com o Laboratório de Herbologia;

      - Pela sua já longa experiência nesta área presta serviços de formação em ecologia e fisiologia das sementes a técnicos de vários organismos estatais e privados.



      • Determinações Químicas

        Método

        Humidade (processo expedito)

        ISTA

        Humidade (estufa)

        ISTA

        Humidade (tolueno)

        ISTA

        Testes bioquímicos e colorimétricos

        ISTA

        Resistência à água

        Métodos intralaboratoriais

        Quebra de dormência

        ISTA

        Tratamentos pré-germinativos

        ISTA

        Determinações Físicas

        Método

        Massa de 100 sementes

        ISTA

        Biometria da semente

        Métodos intralaboratoriais

        Biometria fruto

        Métodos intralaboratoriais

        Extracção da semente

        Métodos intralaboratoriais

        Resistência à água

        Métodos intralaboratoriais

        Recolha de amostras

        Métodos intralaboratoriais

        Teste de frio

        ISTA

        Pureza específica

        ISTA

        Impurezas e sementes com defeito

        ISTA

        Preparação da amostra

        Métodos intralaboratoriais

        Determinações Fisiológicas

        Método

        Velocidade de germinação

        Métodos intralaboratoriais

        Vigor

        Métodos intralaboratoriais

        Valor cultural

        Métodos intralaboratoriais

        Germinação máxima (top-paper)

        ISTA

        Germinação máxima (areia esterilizada)

        ISTA

        Germinação máxima (between-paper)

        ISTA

        Viabilidade germinativa

        ISTA

        Conservação e controlo

        ISTA

        Tempo médio de germinação (MGT)

        Métodos intralaboratoriais

        Uniformidade de germinação

        Métodos intralaboratoriais

        Tempo de germinação de 50% do lote de sementes

        Métodos intralaboratoriais

        Testes de apoio à certificação de sementes para comercialização (sementes de calibre grande) (D.L. 205/2003 de 12 de Setembro)

         

        ISTA

        Testes de apoio à certificação de sementes para comercialização (sementes de calibre reduzido) (D.L. 205/2003 de 12 de Setembro)

         

        ISTA



      • O Laboratório de Sementes possui Colecções “não vivas” de sementes que constituem uma base de apoio para observação da sua morfologia e posterior estudo do seu comportamento germinativo. Destacam-se as Colecções de Sementes de espécies:

        - Florestais mais representativas de Portugal Continental e dos matos mediterrânicos;

        - Aromáticas, condimentares e medicinais;

        - Florestais tropicais

         

        Sementário

         



      • Av. da República, Quinta do Marquês, 2780-157 Oeiras – Portugal

        - Tel: 21 446 37 00
        - Fax: 21 446 37 02

         




      Laboratório de Sementes - Bioquimica das Sementes
      Laboratório de Sementes - Preparação de amostras de sementes
      Laboratório de Sementes - Bioquímica das Sementes
      LS_GerminaçãoLaboratório de Sementes - tanques de optimização de temperatura de germinação
      Laboratório de Sementes - Germinação

      Laboratório de Sementes - tanques de optimização de temperatura de germinação


    • O Laboratório de Herbologia procura dar resposta a problemas actuais que se colocam a nível nacional no âmbito da Protecção de Plantas, designadamente:

      - Estudos no âmbito da resistência adquirida aos herbicidas (metodologias de confirmação de resistência, avaliação de resistência no banco de sementes do solo; mecanismos de resistência baseados em técnicas biomoleculares);

      - Estudo do Banco de Sementes do Solo, em colaboração com o Laboratório de Sementes;

      - Identificação de espécies de plantas infestantes, invasoras e parasitas;

      - Estudos de bioecologia de plantas infestantes;

      - Participa e apoia Projectos de Investigação e Protocolos do INIAV,IP e de outras instituições nacionais e internacionais.



      • - Confirmação de resistência adquirida aos herbicidas (ensaios biológicos);

        - Detecção de resíduos de herbicidas biologicamente activos no solo (ensaios biológicos);

        - Fitotoxidade de composto orgânico de origem vegetal (EN 16086 - 1 e EN 16086 - 2);

        - Sementes e propágulos viáveis de infestantes em composto orgânico de origem vegetal (WI-CSS 99048).



      • Av. da República, Quinta do Marquês, 2780-157 Oeiras – Portugal

        - Tel: 21 446 37 00
        - Fax: 21 446 37 02

         


      Laboratório de Herbologia

      Laboratório de Herbologia


    • Amostras do BSSGerminação de amostra do BSS
      Amostras do Banco de Sementes do Solo (BSS)
      Germinação de amostra do BSS
      Vegetação do BSS do montado de sobro
      Vegetação do BSS do montado de sobro
      Vegetação do BSS do montado de sobro

      Vegetação do BSS do montado de sobro



  •  

    2010-2013 Experimentação e Divulgação de Técnicas de Gestão para a Recuperação do Montado de Sobro na Região de Grândola. Instituições participantes: CAP, INIAV, AFN, IFAP. Responsável: Investigador Auxiliar Edmundo Manuel Rodrigues Sousa. Protocolo de Cooperação do Fundo Florestal Permanente. (€ 344 072,00)

     

    2007-2011 Florestas mistas. Modelação, dinâmica e distribuição geográfica da produtividade e da fixação do carbono nos ecossistemas florestais mistos em Portugal. Instituições participantes: UTAD, INRB, ISA/CEABN, ESAB, EU. Responsável: Professor Domingos Manuel Mendes Lopes. Projecto: PTDC/AGR-CFL/68186/2006. (€ 199.295,00)

     

    2007-2010 Integração da gestão florestal e da gestão do fogo. Modelos e sistemas de decisão. Instituições participantes: ISA/CEF/CEABN, FFC. Responsável: Professor Agregado José Guilherme Martins Dias Calvão Borges. Projecto: PTDC/AGR-CFL/64146/2006. (€ 123 123,00)

     

    2005-2008 Phoenix: Reconversão florestal em áreas queimadas. Instituições participantes: ISA/CEABN, UTAD, UA. Responsável: Professor Joaquim Manuel Sande Silva. Projecto: POCI/AGR/58896/2004. (€ 82 600,00)

     

    2004-2007 AGRO 446 - Influência de modalidades de gestão na conservação/ recuperação de montados de sobro, produção de cortiça e valorização ambiental.

     

    2002-2005 AGRO 283 - Regeneração e silvicultura do pinhal após o fogo.

     

    2001-20004 PARLE-D - Promoção da gestão integrada e do combate a doenças do pinhal.

     

    1998-2000 PAMAF 8165 - Regeneração, condução e crescimento do pinhal bravo das regiões litoral e interior centro.

     


  •  

    Alexandre Vaz Correia, Ana Martins Ganhão, Ângelo Carvalho Oliveira, João Santos Pereira, Mário Tavares, Paula Andreia Teixeira, Maria de Lourdes Santos, Maria Eugénia Rocha, Rui Landeiro Neto Maria Alice Marques, Sebastião Maia Marques, 2006. Regeneração e silvicultura do pinhal após o fogo. Trabalho realizado no âmbito do projecto Agro283 e apresentado em poster In Livro de Resumos do 5º Congresso Florestal Nacional "A Floresta e as Gentes", SPCF, Viseu, 16-19 Maio.

     

    Calha IM, Sousa E, González-Andújar JL. 2014. Infestation maps and spatial stability of maize main weed species. Planta Daninha, Viçosa-MG, 32 (2): 275-282.

    Ferreira, P.G., Almeida, M., Fernandes, A., Codipietro, P., Rego, F.C. 2004. Landscape Dynamics in the area of Serra da Arrábida and the Sado River Estuary. In Recent Dynamics of Mediterranean Vegetation and Landscape. John Wiley & Sons Ld. London, U.K..

    Godinho-Ferreira, P., A. Azevedo, P. Vaz, and F. Rego. 2006. Composition, configuration and vertical structure of Portuguese forests: implications in wildfire probability. In Forest Ecology and Management. D. X. Viegas (editor) Proceedings of the V International Conference on Forest Fire Research (CD-ROM). Elsevier.

     

    Godinho-Ferreira, P., Azevedo, A., Rego, F. 2005. Carta da Tipologia da Florestal de Portugal Continental. Silva Lusitana 13 (1): 1-34. Lisboa.

    Gutierres, F., Ferreira-Godinho, P., Neto, C., Reis, E., Martins, M., Costa, J.C. 2011. Landscape Structure and Dynamics of the Sado Estuary and Comporta/Costa da Galé Places (Portugal). In Book of Abstracts of the 54th Symposium of the International Association for Vegetation Science (IAVS). 20-24 Junho. Lyon, França.

     

    Loddo D, Sousa E, Masin R, Calha IM, Zanin G, Fernández-Quintanilla C, Dorado J. 2014. Germination response of local Southern European populations of Datura stramonium at a range of constant temperatures. Weed Research. (aceite para publicação)

     

    Loddo D, Sousa E, Masin R, Calha IM, Zanin G, Fernández-Quintanilla C, Dorado J. 2013. Assessment of the transferability of base temperature for germination using several local European populations of velvetleaf and jimsonweed. Weed Science, 61(3):443-451.

    Moreira, F., Rego, F., Ferreira, P. 2001 Temporal (1958-1995) pattern of change in a cultural landscape of northwestern Portugal: implications for fire occurences. Landscape Ecology 16 (6): 557-567. Kluwer Academic Publ. Netherlands.

     

    Pichler, V., Godinho-Ferreira, P., Zlatanov, T., Pichlerová, M., Motiejunaite, J., Gregor, J. 2011. Changes in Forest Cover and its Diversity. In Forest Management and the Water Cycle. An Ecossystem-Based Approach. Chapter 12, Section II – Forest Structures, Management and Water Fluxes. Michael Bredemeier, Shabtai Cohen, Douglas L. Godbold, Elve Lode, Viliam Pichler, Patrick Schleppi (editors). Ecological Studies 212. Springer. pp. 209-224.

     

    Portugal J, Calha IM, Gonzallez-Torralba F, Roldan R, DePrado R. 2014. Management of Lolium perenne resistant to glyphosate . 19 - 20 Maio, Workshop “European status and solutions for glyphosate resistance” organizado pela EWRS, Frankfurt, Alemanha.

     

    Santos, L., Tavares, M. 2011. O banco de sementes do solo e as modalidades de instalação na zona de proteção do pinhal bravo das dunas litorais. Silva Lusitana 19 (1): 85-98.

    Santos, L., Capelo, J., Tavares, M. 2010. Germination patterns of soil seed banks in relation to fire in portuguese littoral pine forest vegetation. Fire Ecology Volume 6, Issue 2, 2010; doi: 10.4996/fireecology.0602ppp

     

    Santos, M. Lourdes, 2003. O banco de sementes do solo de pinhal bravo. Características e dinâmica. Zona de proteção da Mata Nacional de Leiria. Trabalho apresentado como dissertação original para efeitos de acesso à categoria de Investigador Auxiliar.

     

    Santos, M. Lourdes; Borges, Ana Eleonora, 1999. Estudo da germinação de sementes de Acacia longifolia provenientes da orla de protecção do Pinhal de Leiria, após simulação de fogo utilizando três metodologias. "1º Encontro de Invasoras Lenhosas". Gerês.

     

    Sousa E, Calha IM, Come A. 2005. Weed seedbank after lambsquarter (Chenopodium album) burning. Abstracts 13th EWRS Symposium, 19-23 Junho, Bari, Itália.


  •  

    Recolha de amostras do BSSParcela de amostragem do BSS
    Recolha de amostras do BSS

    Parcela de amostragem do BSS




Governo de Portugal
w3c
acessibilidade
seara.com