Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I.P.
Facebook
17
Remirucula


Designação do projeto |  REMIRUCULA – Caracterização da resistência ao míldio na cultura da rúcula
Código do projet| PTDC/ASP-PLA/28963/2017
Objetivo principal | Nas últimas duas décadas, a produção de rúcula tem tido grande expansão e tem ganho uma importância económica crescente em Portugal e a nível mundial.
A rúcula é uma hortícola de folhas tipo “baby leaf”, da família Brassicaceae.
Existem duas espécies principais cultivadas de rúcula, a Diplotaxis tenuifolia (rúcula selvagem) e a Eruca sativa (rúcula cultivada). A espécie mais consumida na Europa, América do Norte e Austrália é a D. tenuifolia, cuja forma da folha, distinta, muito recortada, é facilmente reconhecida pelos consumidores. É utilizada na dieta Mediterrânica como componente de saladas embaladas e guarnição, sendo muito apreciada pelas suas características organoléticas e benefícios para a saúde. O sabor típico, amargo e picante, e o aroma pungente resultam de um elevado teor em flavonoides e glucosinolatos, aos quais são atribuídas propriedades bioativas importantes, nomeadamente antioxidante e antitumoral.
O projeto REMIRUCULA pretende dar resposta à elevada suscetibilidade das atuais variedades cultivadas de rúcula à doença do míldio. Este projeto é uma oportunidade para melhorar o conhecimento sobre esta doença, e transpor um dos principais obstáculos ao aumento sustentável da produtividade nesta cultura.
Região de intervenção | Lisboa, Braga, Alentejo e Algarve
Entidade beneficiária | Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, IP (INIAV, IP); Universidade do Algarve (UAlg); Universidade Nova de Lisboa (ITQB NOVA)
Data da aprovação | 2018-06-05
Data de início | 2018-12-01
Data de conclusão | 2021-11-30
Custo total elegível | 216.755,50€; (INIAV – 166.171,63€)
Apoio financeiro total da União Europeia | FEDER – 12.298,55€ (INIAV, IP – 0,00€)
Apoio OE| 204.456,95€ (INIAV, IP – 166.171,63€)


Atividades a realizar

A doença do míldio é uma ameaça crescente à produção de rúcula em regiões de clima temperado e húmido. É causada pelo oomiceta obrigatório Hyaloperonospora sp., que infeta as folhas e reduz de forma drástica a sua qualidade e produção. Nos casos mais graves a cultura pode ser totalmente destruída.
O consórcio do projeto é formado por uma equipa diversificada (um laboratório de investigação e duas instituições de ensino superior, em estreita colaboração com um produtor comercial), que visa a resolução de um problema que afeta gravemente os produtores.
A equipa do INIAV irá constituir e avaliar uma coleção diversificada de rúcula e selecionar genótipos mais resistentes ao míldio em ensaios realizados em ambiente controlado e no campo. Um outro aspeto a ser estudado é a caracterização histológica e celular, e a composição lipídica das folhas de genótipos de rúcula com diferentes respostas ao míldio. O material mais promissor será testado no campo, numa empresa de saladas “baby leaf”, o que permitirá confirmar a resposta à infeção de míldio.
A equipa da UAlg irá caracterizar marcadores moleculares ligados à espécie Diplotaxis tenuifolia e a isolados de Hyaloperonospora sp., obtidos em plantas de rúcula naturalmente infetadas.
A equipa do ITQB irá obter perfis metabolómicos de genótipos de rúcula selecionados nos testes de resistência, correlacionando-os com a resposta ao míldio.


Resultados esperados

Os resultados obtidos neste projeto permitirão aumentar o conhecimento da interação D. tenuifolia-Hyaloperonospora sp., identificar genótipos de rúcula resistentes ao míldio, e melhorar as tecnologias de produção, visando o reforço da competitividade do setor produtivo e a proteção ambiental, assegurando a produção de alimentos mais saudáveis.






Governo de Portugal
w3c
acessibilidade
seara.com