Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I.P.
20
Notícias
4ª Sessão de Divulgação em Fruticultura


Como vem sendo hábito no início do mês de dezembro, a Estação Nacional de Fruticultura Vieira Natividade (ENFVN), em Alcobaça, realizou no passado dia 12 de dezembro a 4ª Sessão de Divulgação em Fruticultura com o objetivo de divulgar alguns dos trabalhos de Investigação e Experimentação realizados durante o ano e em curso. O auditório desta Estação estava repleto com os cerca de 170 participantes (Fig.1), maioritariamente técnicos de organizações de produtores e empresas, fruticultores, representantes de empresas comerciais, professores, alunos e outros profissionais do setor.

A Sessão de abertura foi efetuada pelo Vogal do CD do INIAV, I.P., João Lima, pelo Coordenador da ENFVN, Rui Maia de Sousa e pelo Vereador da Câmara Municipal de Alcobaça, João Santos (Fig. 2).

Seguiu-se a sessão técnica moderada por João Lima (vogal do CD do INIAV, I.P.). Na 1ª parte da Sessão (Fig. 3) Miguel Leão (Investigador do INIAV/ENFVN) apresentou resultados dos trabalhos em curso nas áreas da densidade de plantação, nutrição vegetal, adaptabilidade de variedades e clones de macieiras e ainda, as vantagens económicas subjacentes à correta definição e planeamento da colheita. Suportando-se em extensos resultados de natureza fisiológica e agronómica mostrou em detalhe as vantagens dos pomares de macieiras de alta densidade e apontou intervalos restritos de densidades a usar nas novas plantações. Apontou ainda o impacto da nutrição na componente fisiológica das macieiras e a necessidade de corrigir os valores de referência face aos novos modelos de pomar e às produções proporcionadas pelo avanço das tecnologias de produção. Mostrou ainda a influência de diferentes estratégias de produção (nutrição foliar, aplicação de caolino e reforço de rega) na redução do impacto do stress térmico nos pomares de macieiras e resultados de produção e qualidade referentes aos novos clones de macieiras das variedade ‘Gala’ e ‘Fuji’. Terminou com a quantificação dos ganhos resultantes de um bom planeamento de colheitas em pereira ‘Rocha’.

Seguiu-se a apresentação de Marta Gonçalves (Técnica Superior, Bolseira do INIAV / ENFVN) sobre o tema “ Contributo para a previsão da queda fisiológica em pera 'Rocha’” que relatou o trabalho iniciado em 2019 sobre a queda fisiológica em pera ‘Rocha’. Abordou os fatores que influenciam a queda fisiológica dos frutos e apresentou o trabalho em curso para obtenção de conhecimento nesta matéria e conceção de um modelo de previsão da queda fisiológica na pera ‘Rocha’. A construção deste modelo justifica-se pela importância de prever a queda fisiológica no período pós vingamento, quando é mais intensa, tomando decisões com impacto na produção final como sejam a otimização da colocação dos agentes de monda ou, pelo contrário, a implementação de estratégias que visem contrariá-la quando os valores previstos estejam abaixo do objetivo comercial. O modelo apresentado será alvo de calibração nos próximo anos, utilizando outros pomares e localizações.

Patrícia Vicente (Técnica Superior do INIAV / ENFVN) apresentou o tema “O futuro das variedades regionais de fruteiras”, tendo abordado a importância da preservação e conhecimento destas, destacando algumas variedades regionais de pereiras (‘Amêndoa’, ‘Carapinheira’, ‘Marmela’ e ‘Melão’) e macieiras (‘Bravo de Esmolfe do Vimeiro’, ‘Camoesa Rosa’, ‘Espelho’, ‘Pêro da Malveira’ e ‘Porta da Loja’) que podem ter interesse potencial para a produção pelo seu sabor e aroma. Realçou, ainda, que a pera ‘Rocha’ é uma variedade regional e que foi alvo de intensa investigação e experimentação, sendo por isso, hoje a pera mais cultivada de Portugal, considerando importante aprofundar o conhecimento nas variedades regionais, as suas potencialidades que nos conduzam ao seu eficaz aproveitamento e comercialização. Terminou, referindo que nos próximos anos serão objeto de trabalhos de investigação o estudo dos parâmetros ótimos para a colheita e as condições de conservação de algumas dessas variedades regionais.

Na 2ª parte da Sessão Técnica (Fig.4), Marco Patrício (Técnico do COTHN/INIAV) apresentou os resultados da monitorização da estenfiliose em 2019 e a comparação com os últimos dois anos. Dos resultados da monitorização de 2019, promovida pelo Grupo de Trabalho para a estenfiliose, evidenciou a importância de remover/destruir as folhas caídas no pomar através da avaliação do índice de maturação das pseudotecas. Salientou que durante os 3 anos de monitorização, houve um padrão na variação do número de esporos e que a precipitação e as operações culturais são muitas vezes responsáveis pelo aumento deste número e pelo aumento dos sintomas nas folhas e frutos. Referiu ainda que em 2018, o quadrante onde se registou mais folhas e frutos contaminados foi o Este. Em 2019, o quadrante com mais folhas contaminadas foi o Este e nos frutos, o Sul. Referiu também que a perda média de produção nos últimos dois anos, nos pomares monitorizados, rondou os 8,51 t/ha/pomar.

A Investigadora do INIAV / ENFVN, Filipa Queirós apresentou o tema “Resposta a diferentes formas de condução das amendoeiras ‘Soleta’ e ‘Lauranne’ em sistema superintensivo”, onde fez uma abordagem sobre o panorama nacional do setor da amêndoa em Portugal, com destaque para a evolução do consumo e da produção, focando-se no crescimento exponencial na área do Alentejo sem tradição da cultura. Foi ainda apresentado o modelo produtivo que está a ser instalado nesta região, baseado no regadio e no sistema superintensivo, introduzindo assim o tema do estudo que está a ser realizado na zona de Monforte no âmbito da condução do novo amendoal (eixo vertical, palmeta de três eixos e em modo de sebe). Deste estudo foram apresentados os resultados dos parâmetros agronómicos observados nos últimos três anos de ensaio. 

Claudia Sánchez (Investigadora do INIAV/ENFVN) apresentou a comunicação intitulada “Conservação da qualidade da maçã de Alcobaça”. Na mesma, foram apresentados resultados preliminares obtidos durante o 1º ano de trabalhos no âmbito do Grupo Operacional SafeApple - Conservação da Qualidade da Maçã de Alcobaça: objetivo resíduos zero (PDR2020-101-031742 - Grupos Operacionais). Em particular, foram apresentados resultados de ensaios de campo onde foi avaliado o efeito de diferentes técnicas culturais na qualidade e conservação, sob diferentes condicões, da maçã de Alcobaça, assim como também de ensaios de avaliação da qualidade dos frutos de novos clones de macieiras da cultivar ‘Gala’.

Rui Maia de Sousa (Técnico do INIAV/ENFVN) abordou o tema “Algumas atividades de melhoramento genético em curso na Estação” começando por destacar a grande variabilidade genética da pereira ’Rocha’. Apresentou alguns resultados preliminares da produtividade de vinte e um clones de ‘Rocha’ assim como o diferente comportamento de 50 genótipos de ’Rocha’ em relação ao fogo bacteriano e à estenfiliose. Apresentou também o comportamento de três híbridos de pereira que foram obtidos na Estação e observados nos últimos 11 anos, destacando um desses híbridos como tendo interesse para a produção. Apresentou ainda o melhoramento em curso em macieiras com destaque para as variedades de polpa vermelha obtidas nesta Estação, assim como híbridos de macieira com maturação tardia. Salientou ainda a necessidade do setor produtivo participar nestas atividades de melhoramento no sentido de serem criadas variedades exclusivas.

No decorrer da Sessão estiveram expostas 18 cultivares de maçãs do grupo ‘Gala’ que estão em observação na ENFVN (Fig. 5), assim como 10 clones de pereira ‘Rocha’ (Fig. 6) e doze variedades de amêndoa (Fig. 7).

A Sessão foi encerrada pelo Vogal do CD do INIAV, I.P., João Lima e pelo Coordenador desta Estação, Rui Maia de Sousa.








 
Governo de Portugal
w3c
acessibilidade
seara.com